Já vamos com dois anos sem discos por parte da dupla Drew Daniel e a Martin Schmidt. Ganzfeld Ep e The Marriage of True Minds, ambos com selo da Thrill Jockey. Não apenas mais dois discos na já rica carreira do projecto norte-americano mas duas peças inseparáveis do universo complexo e anómalo dos dois de San Francisco que se fazem receber hoje e amanhã em Lisboa e Braga na sua estreia em território português.

Sobra a questão se os Matmos, nome retirado do filme de 1968 Barbarella, são nascidos da vaga electrónica que trouxe ao grande publico o computador como instrumento musical ou se serão eles uns dos nomes responsáveis por essa visão renovada da electrónica e da arte do sampling desde meados dos anos 90. De qualquer forma são 17 anos de som, de música concreta e de colagens sonoras cinemáticas, sete álbuns e as mais variadas colaborações inclusive os trabalhos com Björk em Vespertine e Medula.

Parafraseando o press-release do próprio Teatro Maria Matos.

…o mundo que interessava, e ainda interessa, a Drew Daniel e a Martin Schmidt está mais relacionado com a visão da música concreta e da colagem sonora do que qualquer corrente contemporânea da electrónica, na qual os “instrumentos” estão no nosso corpo, na água, em comboios, na respiração, em balões, em cigarros, em insectos, nas páginas da Bíblia ou em cirurgias plásticas.

Hoje no Maria Matos em Lisboa e amanhã em Braga no GNRation escreve-se um capitulo no diário das viagens electrónicas em Portugal.

alec peterson sig