Anteriormente com o ainda mais espampanante nome de Prince Rama of Ayodhya, Prince Rama é o projecto das irmãs nova iorquinas Taraka e Nimai Larson. Auto denominadas de “Now Age”, as duas garotas compõe um hiperactivo e açucarado duo de música de dança e rock de garagem. O açúcar aqui, contudo, é de alta voltagem. Editando regularmente desde 2008, com já oito discos às costas, foram levadas à proeminência pela primeira vez aquando a assinatura com a Paw Tracks, fruto do olho vivo de Avey Tare, que as descobriu num bar no Texas. Desde aí seguiram-se tours internacionais e sessões de música com os Haunted Graffiti num caminho regado a bebidas energéticas e bons cozinhados (Nimai Larson aparentemente tem uma veia).

Começando das andanças mais étnicas até aos atiranços mais sérios com a cultura do disco e do clubbing, Prince Rama bebe das tendências new age e glam do virar dos anos 80 e acrescenta-lhe tonalidades modernas e eminentemente descontraídas. Assim a acidez e brilho dos sintetizadores e sequenciadores aproximam-se amigavelmente ao tom mais relaxado do rock ligeiro, sempre humorado, directo e simplista, que tanto servirá para ir partir o chão ou jogar futebol na praia. Apesar de toda a ostentação visual e o gosto pelo conceito, as irmãs conservam uma estética descomprometida e em bruto, como quem veste vestido com havaianas e fá-lo por afirmação.

Xtreme Now é o mais recente trabalho da banda e é o mais longínquo no que toca ao polimento de um som irrequieto, com um fraco por bons hooks e batidas secas que se repetem em loop para ostentar os estridentes gritos femininos e apelos a emoção, velocidade e fanfarra. Foi também o disco por detrás do conceito de speed art, alegadamente encontrado por Taraka numa premonição que teve na Estónia e que pressupõe um futuro onde a estética e a beleza serão medidas pela velocidade. Cheias de raça e adrenalina, há um grande interesse na componente radical da sua música por parte das Prince Rama, que como elas próprias referem, pretendiam criar “música de desportos radicais“.

Debaixo do seu tom eminentemente épico, que aponta às estrelas, e focado numa conduta futurista de nunca parar, a música das Prince Rama fortalece-se de uma aura de divertimento que se entranha sem grande explicação. É música para dançar e para rir e para fazê-lo com fé. Entretanto, no próximo dia 25 de maio há já data de regresso a Portugal marcada. O local de encontro é o Musicbox.