Mais uma vez o burburinho começa nas ruas: anúncios de grandes lançamentos começam a ganhar forma em posters colados nas ruas das cidades – ou por outras quaisquer formas de despertar curiosidades -, e a promoção ganha poder de arranque através do boca-a-boca. E esteja ela “crazy, crazy, crazy” ou não por lançar ao mundo uma canção a um sábado à noite para complicar ainda mais o acompanhar dos acontecimentos – quando meio mundo anda em modo chill’copos’passeio -, o facto é que Lana Del Rey é diva e senhora para não estar nem aí para fórmulas e cá está o novo single “Love”.

Um dia depois de uma série de cartazes cinematográficos terem surgido por Los Angeles com as palavras Love e Young And In Love com o rosto e a assinatura de Lana, e tanto o mistério como as teorias se terem espalhado pelo mundo virtual fazendo crescer as expectativas entre a legião dos seus seguidores, o enigma foi desvendado há poucas horas. A sonoridade não foge ao universo retro que a norte-americana tem criado desde Lana Del Rey de 2010: “Love”, apesar de carregar em si algo de mais luminoso, continua a ser uma canção Lana Del Rey, glamorosa e ao mesmo etérea e vaporosa como uma manhã soalheira em Twin Peaks.

Está já prometido um vídeo realizado por Rich Lee. Lana falou sobre o novo disco do qual se esperam mais notícias para breve, mas segundo o press release só deve sair mais para o fim do ano.

I made my first four albums for me, but this one is for my fans and about where I hope we are all headed

O quinto registo de Lana que sucede a Honeymoon de 2015 conta novamente com o produtor e realizador Rick Nowels que trabalhou também em Born to Die e Ultraviolence bem como no, até à data, último longa-duração de Elizabeth Woolridge Grant. O novo disco vai contar também com “some exciting guest featured artists” a serem revelados a seu tempo e é editado pela Interscope/Polydor.

Por agora é apenas hora de receber todo o “Love” de Lana porque do futuro só há música.

Look at you kids with your vintage music
Coming through satellites while cruising
You’re part of the past, but no, you’re the future
Signals crossing can get confusing…