Estando o país a passar por uma cena musical fervilhante e em crescente ebulição, o mês de Setembro ficou marcado por uma torrente de novos lançamentos por parte bandas portuguesas que merece toda a atenção e muitas rotações nas plataformas e suportes de eleição aos quais a Tracker deu destaque.

LOT

LOT – Staying In Tonight

“Staying In Tonight” é uma via rápida aberta, uma porta escancarada, um convite perigosamente sedutor e irrecusável a um mergulho de olhos fechados numa nuvem densa e opaca que tenta esconder brilhos foscos e aquáticos que lá ao longe procuram, e conseguem a espaços, trespassar as muralhas poeirentas criadas por poderosas linhas de baixo sufocantes que não deixam oxigénio para respirar mas que incitam, isso sim, a uma proliferação diabólica de sensações no espaço envolvente. E se por aqui pairam laivos de soul à la James Blake ou Chet Faker, nuances de trip hop à la Portishead e beats à la Nicolas Jaar, a verdade é que “Staying In Tonight” não se apoia em nenhum e demonstra uma confiança inabalável e uma emancipação sonora como raramente temos visto, aqui e em tudo o que se encontra sob este sol neste imenso mundo intra-terrestre.

Artigo completo

Norberto Lobo

Norberto Lobo – Solstício

Norberto Lobo é uma das figuras míticas principais da música portuguesa contemporânea e do início do século XXI. O músico conta já no seu reportório musical com 6 álbuns produzidos e prepara-se agora para editar o seu último disco que levará o título de Maxuma na lombada e que estará finalmente concluído e pronto a ser lançado à atmosfera musical portuguesa dia 24 de Setembro pela editora Three:Four Records. Até lá, ficamos com um cheirinho do primeiro single que se chama “Solstício”.

Artigo completo

You Can’t Win Charlie Brown

You Can’t Win Charlie Brown – Above The Wall

Dois anos após o excelente Diffraction/Refraction e jóias intimistas como “Be My World”, decidiu arriscar uma sonoridade para ser escutada mais alto, sendo mais electrificada e ritmada, mais adepta de uns relaxantes passos de dança. E para aquele intento, além de voltarem a trabalhar com Luís Nunes – o Benjamim -, que remisturou o álbum, a banda gravou sob produção de Makoto Yagyu e Fábio Jevelim dos PAUS e Miguel Abelaira nos estúdios da HAUS, sendo certo um prenúncio de uma parede de som poderoso.

Artigo completo

Página 2: Noiserv, Ditch Days, Moda Americana
Página 3: Lotus Fever, Cave Story, MOKI
Página 4: Twin Transistors, The Gift