Quando “Hoppípolla” dos islandeses Sigur Rós despertou para o mundo nesse já tão longínquo ano de 2005 e se tornou um dos hinos primordiais de Takk, as almas de maior sensibilidade aperceberam-se, certamente, da dimensão melódica da composição, ímpar em tantos sentidos e possuidora de um teor musical tão característico dos países nórdicos. No ano seguinte o tema foi, inclusivamente, utilizado no trailer da série da BBC Planet Earth.

Pois bem, uma década passada, e eis que surge Planet Earth II, uma renovada versão para o segundo volume do documentário traduzido em celebração da vida e existência, ainda que com cada vez mais dificuldades, do planeta Terra construído por imagens de cortar a respiração, naturais de todo o globo e uma apresentação e narração séria mas de voz bela pelo seu mentor David Attenborough.

“Hoppípolla”, que significa algo como ‘pular em poças’, sempre foi exemplificativa da discografia da banda, dos traços particulares e especiais de um som tão aprazível quanto fatal ao coração. Os Sigur Rós têm sido um dos rostos mais emblemáticos da Islândia, país de inúmeras bênçãos naturais, em que o humano é desafiado pelas garras da Natureza com os seus locais indomáveis, selvagens, água e terra em confronto absoluto actuando, à semelhança de Björk, como embaixadores dessa pérola geográfica.

Infelizmente, e sem excepção, a ilha que viu nascer a banda tem sofrido, em conformidade com os restantes cantos do planeta, graves modificações na paisagem, sobretudo se se pensar nas cicatrizes fundas e poluídas pelas quais a indústria humana tem sido responsável, algumas até a um patamar praticamente irreversíveis. O trânsito, as fábricas, a megalomania das sociedades e da construção de cidades em que, um pouco por todo o mundo, a história se tende a repetir, são sinais de que a humanidade precisa de mudar de estratégia e com a máxima urgência. Este planeta a que chamamos ‘casa’ – veremos até quando –, depende, em grande escala, de todos os seus habitantes. Parece uma ideia-feita, mas não. Os factos confrontam a existência humana com os seus excessos e, com esta “Hoppípolla (Planet Earth II Mix)”, talvez seja já tempo de abrir, com muito vigor, os olhos.

Planet Earth II estreou na televisão britânica no início do ano e seguirá viagem para os canais americanos já no fim de Janeiro. Tomemos de exemplo a música dos Sigur Rós como bastião de mudança de mentalidade ou, na melhor das hipóteses, chamada de atenção com toda a voz e teclados mágicos. Este ano, os Sigur Rós tinham já viajado em digressão pela Europa e pela América do Norte, onde lançaram a faixa “Óveður”.