Os TENTS chegaram ao panorama musical com o anúncio do lançamento do mini-álbum Under My Wings, o primeiro registo oficial da banda austríaca. Partindo inicialmente de um projecto de gravação caseira, a banda passou por um processo de renovação e transformação que resultou na troca das drum machines por um kit convencional ao juntaram um órgão e sintetizadores, alterações que lhes permitiu dar um semblante um pouco distinto ao seu som, potenciar e tirar o máximo partido dos “novos” instrumentos e apresentar uma série de concertos que foram muito bem recebidos pelo público das metrópoles austríacas.

Esta nova formação traduziu-se inevitavelmente numa mudança sónica em relação às gravações mais antigas, deixando um pouco de lado os ritmos mais dançáveis de forma a mergulhar num negrume post-punk dominado por cascatas de sintetizadores e apontamentos aguçados de guitarra.

Exemplo disso é “Landscaper”, o primeiro tema saído do trabalho em grupo que, sob a propulsão industrial da percussão, faz sentir o frio clínico de uma grande fábrica fumarenta de ar e cinzenta de tom, enquanto que sintetizadores espaçosos agem como o zumbido das máquinas. Embora um cenário desolador, há esperança e luz: os mesmos teclados que, numa primeira instância, nos atormentam, tecem logo de seguida melodias edificantes acompanhadas pela guitarra num refrão que, sem parecer orelhudo à primeira audição, acaba por se repetir no ouvido.

Composto por seis faixas e gravado com o produtor Mario Zangl no Combinesch Studio, o disco é uma colectânea de canções compostas com montagens de vozes sem linha narrativa definida e descritas pela banda como incoerentes no que respeita à relação entre si. Under My Wings é editado dia 18 de Novembro pela Numavi Records. “Landscaper” pode já ouvir-se na compilação Aber Der Sound Ist Gut da Siluh Records e aqui também.