Fisicamente oriundos de Brooklyn, e artisticamente endereçados a Laurel Canyon em Los Angeles, o grupo de cinco amigos e colegas da universidade de Yale lançaram o ano passado o seu estreante Young Narrator In The Breakers, um álbum que soa “a pop do futuro, mas feito por pessoas dos 70’s”, como nos diz o próprio Oliver Hill, guitarrista, teclista e vocalista dos Pavo Pavo.

Desde os tempos de universidade que Eliza Bagg (vocais, violino e sintetizadores), Oliver Hill (vocais, guitarra e sintetizadores), Nolan Green (vocais e guitara), Austin Vaughn (bateria), Ian Romer (baixo) compõem música e têm trabalhado juntos, sugando influências de pesos pesados como Here We Go Magic, John Zorn e Porches e dando-lhes o seu próprio cunho pessoal. Os cinco negam-nos a frivolidade que pode ser associada, à primeira vista, à pop num disco melodicamente interligado, banhado por líricas profundas e introspectivas de alguém que ainda não é bem adulto, mas que já não tem muito de garotice.

No dia 11 de maio o Musicbox torna-se num salão retro-futurista, com mobílias dos mais requintados e ecléticos mobiliários musicais, desde ondas beach boyescas a ambiências flaming lipsícas. Os Pavo Pavo, em jeito de apresentação do seu registo de estúdio, trazem a com eles harmonias assentes num revivalismo mestrado com a genialidade e frescura dum pop experimental.