Se é verdade que em tempos foram os descobrimentos e a literatura – e o próprio relato literário dos mesmos -, que dilatavam as fronteiras da língua e da cultura portuguesas e lhes conferia a identidade localizada que hoje apresenta, também não é menos verdade que esse é, nos dias que correm, um papel que cabe grandemente à música e aos seus criadores.

O Sol da Caparica, a decorrer entre os dias 11 e 14 de Agosto na Costa da Caparica, tem como génese da sua existência a pluralidade e a diversidade cultural no contexto da lusofonia e é precisamente isso que demonstra o cartaz já divulgado e os 11 nomes que hoje soubémos vieram enriquecer a mescla de influências que o idioma de Camões conseguiu fazer florescer.

Na defesa do património linguístico português estarão 33 artistas – 16 dos quais com presença em festivais de âmbito internacional assegurado -, num variadíssimo leque de estilos musicais que vão desde We Trust, Orelha Negra, X-Wife, Mundo Segundo & Sam The Kid, Mão Morta a Deolinda, The Gift e Ana Moura, entre outros.

Paralelamente à musica, decorrerão também outro tipo de actividades como eventos de skate com as DC Street Sessions, artes visuais e multimédia, e uma Praça Surf renovada que irá trazer-nos cinema de animação em parceria com a MONSTRA.

Promovido pela Câmara Municipal de Almada, o Sol da Caparica vai já para a sua 3ª edição e espraia o seu cartaz por 4 jornadas de música diárias, contando com passes gerais a €35 e bilhetes diários a €15, havendo lugar a discontos para munícipes.