“Get These Things Out Of My Head” das Pale Honey já anda há alguns dias na cabeça sem sinais de abrandar. O mais recente single do power duo das meninas suecas Tuva Lodmark e Nelly Daltrey, duas guerrilheiras rock saídas da mesma fornalha em que os deuses do rock moldaram outras divindades como Polly Jean, Kim Deal, Debbie Harry ou Kim Gordon, foi lançado no último dia do mês de agosto e agora encontra-se transposto para imagens num vídeo realizado por Johan Stolpe.

Nada de grandes conceptualizações, apenas o dia-a-dia de uma banda que está claramente em sentido ascendente mas ainda se encontra naquela fase da carreira em que as tours se fazem em carros e vans, as salas são curtas mas já cheias, e os horizontes tanto abarcam nasceres como pores-do-sol na constante viagem de sala em sala, de concerto em concerto. Um vídeo filmado a preto e branco feito de planos imaculados para uma música que não se pretende esconder atrás de significados.

“Get These Things Out Of My Head” é uma purga interior de frustrações, um processo de exteriorização de raivas e incapacidades e um reflexo exacto do que será o segundo disco das suecas. Tuva sofre de transtorno obsessivo-compulsivo e é daqui que parte e se ramificam as músicas de Devotion, servindo este terceiro single como um centro nevrálgico da escrita e da temática subjacente a todo o disco.

For me, this is very personal to talk about. I even wanted to change the lyrics for the song to be about something else before we recorded the vocals, I was so afraid of what other people would know about me. But after I gave it some thought, why would I censor myself that way? We make music because it’s true. We write to deal with ourselves and things that happen around us. This condition I’ve been in is a big part of me and I want to be true to myself and shed some light on the disease. It’s more common than people think.

Devotion sucede ao auto-intitulado disco de estreia das Pale Honey que sai a 13 de Outubro na Bolero. A banda sueca tinha revelado anteriormente os vídeos para “Real Thing” e para a faixa que fecha o disco, “Why Do I Always Feel This Way?”.

Lê também: Pale Honey: A assombração do amor ao som de “Real Thing”