A 5.ª edição do Party Sleep Repeat (PSR) arranca já este sábado, em São João da Madeira, com a inclusão de um novo palco e a estreia da primeira banda estrangeira no festival. Os madrilenos Baywaves abrem a ‘caixa de pandora’, ao atuar, à tarde, no Palco Alameda, num evento que se tem revelado uma montra tanto para talentos emergentes, como conceituados, do panorama musical português. No mesmo palco, vão atuar igualmente os The Sunflowers, Toulouse, e, a fechar a tarde, há um ‘DJ set’ a cargo de Adão, membro da organização e artista com mais presenças no evento.

Quando escurecer será a vez dos Prana, a ‘jogar em casa’, começarem a aquecer a Sala dos Fornos da Oliva Creative Factory para a entrada dos Marvel Lima, que apresentarão o seu primeiro álbum editado em 2016, seguindo-se os Riding Pânico, que trazem bem apanhado o novo registo discográfico intitulado Rabo de Cavalo. A responsabilidade máxima de ‘incendiar’ o ambiente cabe ao cabeça-de-cartaz e um dos expoentes do rock e blues português, The Legendary Tigerman.

Durante a madrugada, compete aos DJ’s La Flama Blanca e A boy named Sue manter a chama bem acesa. Os bilhetes, disponíveis online, têm o custo simbólico de 7 euros (10 euros se comprados no dia) e as receitas revertem para a iniciativa “Apadrinhe esta Ideia” e para projetos de investigação da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Party Sleep Repeat

Party Sleep Repeat, Horários

Tiago, Maria, Gonçalo, Inês, Pedro, João, Paulo… Estes são apenas alguns dos nomes dos amigos de Luís Lima, conhecido carinhosamente como ‘Chicken’, falecido aos 23 anos, vítima de cancro. Estes, entre muitos outros, são aqueles que todos os anos trocam o luto pela celebração, a dor pela amizade e a morte pela vida. Fazem-no voluntariamente para que nós, enquanto público, possamos experienciar a amizade e o amor no seu estado mais puro e genuíno.

A Tracker esteve à conversa com Tiago Valente dos Santos, presidente da Associação Cultural Luís Lima (ACLL) – instituição responsável pela organização do evento –, sobre a génese da associação e do festival, bem como, inevitavelmente, da pessoa que inspirou a sua criação. De acordo com o economista de 28 anos, o festival surgiu quando o grupo viu um dos seus melhores amigos falecer e quis preservar e homenagear o seu legado de formas não convencionais.

Party Sleep Repeat 2013

Party Sleep Repeat 2013

Como conta o responsável máximo pela ACLL, “a primeira edição só aconteceu pela boa vontade das bandas”. Isto porque cada uma das bandas tinha uma ligação afetiva com Luís. Os Black Chakra têm um elemento na organização do festival, a Capicua era prima do Luís e escreveu uma música sobre ele, tal como os “influentes” Sensible Soccers, com a faixa “Lima” do primeiro álbum intitulado “8”.

Antes de falecer, Luís acompanhou a digressão dos Sensible Soccers pela Península Ibérica, na qual recolheu registos audiovisuais para a realização de um documentário. Na edição seguinte, a banda voltou a ser cabeça de cartaz e, atualmente, os seus membros continuam a ser presença assídua no festival, assevera Tiago Valente dos Santos.

Quando ‘Chicken’ se encontrava já numa fase irrecuperável, os seus amigos sabiam que um simples funeral não ia bastar para “fazer justiça à pessoa que ele era”. Nessa altura, pediram permissão aos pais de Luís para fazerem uma coisa diferente “apesar de ser muito difícil para todos”. Depois de um momento durante a tarde, restrito às pessoas mais próximas, o grupo decidiu que não faria justiça à memória de Luís limitar o acesso durante a noite.

Pais e alguns amigos de Luís que se juntaram durante a tarde da primeira edição do festival.

Pais e alguns amigos de Luís que se juntaram durante a tarde da primeira edição do festival.

“Abrimos a atuação das bandas a toda a cidade, mas essas pessoas teriam de doar um valor simbólico para estar nesses concertos, para partilhar connosco um momento que seria muito especial. Foi aí que surgiu a questão da doação de receitas de bilheteira, porque queríamos que viessem pessoas que estavam interessadas, mas não queríamos ficar com o dinheiro para nós. Para fazer justiça ao Luís, dissemos que a receita de bilheteira ia reverter para o ‘Apadrinhe esta Ideia'”, explicou.

Quando perguntamos a Tiago Valente dos Santos o que tornava ‘Chicken’ único, recebemos uma resposta demasiado impactante para a colocarmos por escrito:

Chicken e Tiago por Gab Wilkes

Chicken e Tiago, por Gab Wilkes

Todos os anos o festival é organizado pelos amigos de Luís, jovens adultos com trabalhos a tempo inteiro e fora de São João de Madeira, o que, juntamente com a doação das receitas de bilheteira, torna este evento único e exigente.

“É sempre desafiante para nós começarmos a construir o festival do zero. E sabendo que esse zero, não é um zero igual a todos os anos. De ano para ano o orçamento cresce significativamente, porque queremos sempre fazer mais e melhor. Temos de estar sempre a correr com essa meta à frente e temos de correr mais. É esse o nosso espírito de querer fazer melhor, querer doar mais receitas e querer trazer um cartaz melhor para a cidade”, elucidou, apontando ainda que se o festival não fosse feito nesses moldes, não valeria a pena realizá-lo.

Apesar de ter uma equipa composta por voluntários – com apenas uma pessoa a trabalhar na área de organização de eventos –, o PSR já foi distinguido por duas vezes nos Iberian Festival Awards. Considerado o melhor festival ‘indoor’ da Península Ibérica, pela edição de 2015, o evento realizado na cidade do calçado conseguiu arrebatar o prémio de melhor festival de pequena dimensão, a nível nacional, na edição de 2016.

“Nós perdemos horas de sono com isto todos os anos, não temos qualquer benefício a não ser emocional. Ver que isso é reconhecido pelas pessoas da área é muito bom, mas melhor que isso é sermos reconhecidos pelas que frequentam o festival. (…) Mais de metade das pessoas que vêm não fazem ideia do que é, mas gostam ao ponto de votar. Quando isso acontece não há melhor prova para nós que estamos a fazer um bom trabalho”, respondeu.

Prémio de Melhor Festival Indoor da Península Ibérica por Gonçalo Tavares Antunes.

Prémio de Melhor Festival Indoor da Península Ibérica, por Gonçalo Tavares Antunes.

O presidente da ACLL explicou ainda que a instituição assenta em três pilares: homenagem ao Luís, promoção de atividades culturais pertinentes e de vanguarda para a região e o apoio a causas sociais.

“Estas três vertentes são sempre identificáveis em qualquer uma das atividades que desenvolvemos, seja no Party Sleep Repeat ou no ‘Thinkspace’, que é uma marca que criamos, para a qual convidamos oradores a virem à cidade discutir temas pertinentes para a sociedade civil. Falando do PSR, diria que, se somássemos toda a receita da bilheteira nestas últimas quatro edições, doamos cerca de 90% para causas sociais”, disse.

Apesar de nos primeiros três anos a receita ter revertido, na sua totalidade, para o projeto ‘Apadrinhe esta Ideia’, dos Ecos Urbanos, a ACLL quis mais e entrou em contacto com a Liga Portuguesa Contra o Cancro, de forma a financiar projetos de investigação.

“Para tangibilizarmos a memória do Luís, que também fazia voluntariado junto de sem-abrigo e pessoas em risco, decidimos ser mais ambiciosos e doar também para combater e evitar que ocorram casos semelhantes ao dele”, concluiu.