Inteligível o legado, inegável a fonte de inspiração universal e eterna para os artistas da sua geração e não só, traduzível na condição de uma das mulheres mais influentes da música, Patti Smith sempre foi uma alma visionária e pioneira nos domínios do punk rock – em especial aquele nascido das fornalhas nova iorquinas -, dona e senhora que é de um pedaço fundamental da história, geracionalmente transversal e obrigatória, nos compêndios mais versados coleccionados por melómanos, audiófilos e gente minimamente afecta à música.

Smith, a poetisa punk, mãe de todo o rock de nervo mais irreverente foi, no alto das suas icónicas 70 primaveras, apresentar “People Have The Power” – talvez o timing e a escolha da canção não tenham sido completamente inocentes? -, tema originalmente editado no álbum Dream Of Life de 1988, ao The Tonight Show Starring Jimmy Fallon. na companhia dos seus filhos Jackson e Jesse, que integram a sua banda de apoio, e continua a provar porque é uma das vocalistas mais carismáticas de sempre. O último álbum de Patti Smith chama-se Banga e foi editado em 2012.