Já se sabe que Chaz tem um certo constrangimento com os conceitos de quietude e, além dos seus Toro Y Moi, ainda espalha sons nos Les Sins. Nos Les Sins que, na verdade, são uma aventura solitária usada como máscara de refúgio da sua banda principal e onde se permite experimentar em espectros distintos dos Toro sem pôr em causa a identidade da banda nem, principalmente, a fidelidade dos seus fãs.  Com apenas um disco no historial, Michael de 2014, os Les Sins são muito mais um heterónimo da vertente dance music de Chaz do que um projecto a que o próprio recorre muitas vezes. Se voltaremos a ter notícias deles e um irmão mais novo para Michael só o tempo o dirá, mas para já descobre-se mais uma vida paralela que Chaz anda a viver.

Plum é agora a mais recente demanda e apostamos a alma que os motivos deste novo projecto são exactamente os mesmos que para os Les Sins. Mas agora a dança é outra, absolutamente outra. É uma dança feita a nível molecular, de impulsos eléctricos e electrónicos directamente apontados ao subconsciente. O que poderia ser comummente chamado de new age é aqui um abraço às essências do ser através de microscópios e pedaços de éter. Cirurgicamente desconfortável e ao mesmo tempo pacificador.

Esta é a primeira amostra, “New Globe”.

Plum - New Globe

Plum – New Globe