Se estamos perante uma magnífica coincidência ou não ainda vai demorar a perceber, mas o facto é que os Pond de Jay Watson e de Nicholas Allbrook (ainda é preciso fazer as ligações aos Tame Impala?) parecem ter algo a dizer e umas quantas histórias para contar sobre as suas preocupações e considerações sobre o uso do nuclear e os seus perigos. Com as eleições americanas a deixarem o mundo mais distraído absolutamente perplexo devido ao seu desfecho e com todas as ameaças que do seu resultado podem advir – apesar de, na verdade, ainda não se ter percebido efectivamente onde se posiciona Donald Trump em relação às suas “opiniões” e ao que efectivamente pretende por em práctica de todas as suas promessas, algumas loucas –, a nova música dos Pond ganhou um novo fôlego e uma possivelmente grande razão de existir.

Seems like the right time” foi a frase deixada pela banda no Twitter depois de conhecidos os resultados do escrutínio das presidenciais norte-americanas e que acompanhou o desvendar do segundo tema de apresentação para o 6° disco dos australianos. “30000 Megatons” rebenta com estrondo, seja pela assertividade e direcção política com que chega, mas felizmente também pela sua relevância sonora.

Receber 30000 megatoneladas depois da anterior “Sweep Me Off My Feet”, um psych-pop candy produzido por Kevin Parker perfeitamente domesticado e pronto a servir a uma família secretamente disfuncional com sorrisos perfeitos numa casa perfeita num bairro perfeito dos subúrbios perfeitos de qualquer cidade perfeitamente americanizada em qualquer parte do mundo, é como ser convidado a tomar assento em cima da tal bomba. “30000 Megatons” é uma improvável aproximação a um universo tão distante no som como familiar no que toca a referências. A clara influência do fascínio espacial de Bowie conduz a nova música dos Pond para o mesmo quarto solitário de considerações políticas e desadequação social em que os Suede escreveram em ’94, Dog Man Star. As mesmas temáticas, o mesmo timbre ambíguo de voz que cresce sobre os lamentos, o mesmo glam decadente e sinfónico, os sintetizadores que funcionam como propulsores da nave, a claustrofobia e o medo.

Se estamos perante uma magnífica coincidência ou não… mas lá que parece que os Pond sacaram da cartola de um disco com uma linha poética actualíssima e polémica, lá isso parece. Considerações à parte, “30000 Megatons” é uma bomba de canção. O disco sai nos começos de 2017. É esperar sentado… mas não numa bomba!