Oh, L ‘amourrrr! Sentimento complicado, abstracto, intenso, egoísta e libertador, tudo ao mesmo tempo em curto prazo. E convenhamos, o amor, tem prazo de validade sim e quando um dos dois não está satisfeito com o outro, dizemos: Adíos, baby. A gente tem a necessidade de amar o que achamos que precisa ser amado, precisamos nos sentir bem o tempo todo e amar o que é conveniente para nós mesmo. É aí que perdemos o senso do ridículo, da perspectiva de vida e enlouquecemos no final da história… Mas, quando somos reféns dos nossos próprios sentimentos e nos sufocamos a nós mesmo? Como o próprio Silva diz: “Pare pra pensar?” É isso mesmo.

O clipe “Sufoco” é a mais recente faixa single do último disco, Júpiter, o mais pop da carreira solo do cantor multi-instrumentista capixaba Silva. A letra fala sobre aquela velha história de quando um quer e o outro não, esses amores impossíveis. A melhor saída é nos matarmos, claro que só no sentido figurado. O vídeo trabalha bem essa linguagem brincando com a estrutura figurativa quando o vemos destruindo o próprio carro e logo em seguida ateia fogo nele. O carro tem essa representatividade masculina, de como ele se movia no mundo, como ele era ou demonstrou ser um dia. A sua figura mórbida lá na bagageira representa a sua antiga consciência. Tudo foi destruído pelo fogo e ele mesmo assistindo, um passo para a liberdade meio que masoquista.

Júpiter é o terceiro álbum de Silva e foi lançado no dia 22 de Novembro de 2015 em formato físico e electrónico. Pode ser escutado nas plataformas de streaming, citando o amado e adorado Spotify. Ele vem com onze músicas, sendo uma regravação e outras dez inéditas. Podem ver o vídeo em baixo e, já agora e porque não, voltar a caminhar sobre Júpiter.