Hoje, na lisboeta Galeria Zé dos Bois (Bairro Alto, Rua da Barroca), muitos artistas vão passar o final da tarde e a noite reunidos a partir das 19:00 por um Futuro Sem Furos no litoral do nosso país, num evento contra a iminente, mas ainda reversível pelos órgãos de soberania , exploração de petróleo e o prospectivo fracking em Portugal que começará com uma sessão de esclarecimento liderada pelo especialista em ecologia e alterações climáticas João Camargo sobre a temática.

A palavra inglesa fracking tem designado a fracturação de rochas por perfuração de grande profundidade (quilómetros) para sondagem e posterior extracção dos muito poluentes combustíveis fósseis (petróleo) e também de gás natural, em vez da substituição dessas fontes de energia por energias renováveis menos poluentes (solar, eólica e outras), para além dos riscos de insegurança associados às plataformas e condutas de combustível (derrames e incêndios, por exemplo, como o da desastrosa explosão da plataforma Deepwater Horizon, no Golfo do México).

É um assunto importante, sobre algo perigoso e que tem sido alvo de protesto institucional consensual, sobretudo pela sociedade civil do Sudoeste (território português mais ameaçado) que, inclusivamente, foi debatido num Prós e Contras recente e cuja sondagem ao longo do debate indicou crescente rejeição do fracking, à medida que ia sendo explicado. Algo tão importante e perigoso, que a comunidade artística mais jovem decidiu expressar a sua reprovação explícita à perfuração e à extracção e a sua solidariedade cívica para com as instituições e pessoas que têm denunciado e travado os avanços administrativos para iniciar aquela prática ambientalmente arriscada.

E aquele contexto é o que vai unir músicos, nos concertos de Pega Monstro, Garcia da Selva e Chaló, e outros artistas: além dos DJ sets de Carie e Varela, estará montada uma grande exposição com cartazes e posters de mais de 30 designers – entre os quais Inês Magalhães, Nikolai Neko e João Onofre -, que juntamente com o engenheiro ambiental João Camargo vão explicar e denunciar o fracking, também com o apoio de filmes, num evento que incluirá comida no páteo, para alimentar as trocas de ideias.

A Tracker é uma publicação focada na música, mas sugerimos presença no evento também porque a Terra e a Ecologia – no fundo, a sustentabilidade da nossa velhice e das gerações futuras -, têm que estar acima das clivagens liberal-conservador (económica) e direita-esquerda (política), que tantas vezes nos fazem perder noção do que é social e ambientalmente justo e responsável.