À partida, este título podia muito bem ser uma daquelas piadas falhadas pelo simples facto de duas palavras rimarem serem sinónimo de graça, mas não. Monika Brodka, ou simplesmente Brodka, está prestes a expandir horizontes e a percorrer fronteiras com o seu novíssimo Clashes.  Dez anos de carreira passados, a polaca aventura-se pela primeira vez na língua inglesa, em busca do sucesso que os seus discos passados alcançaram no país de origem.

Monica Brodka deu-se a conhecer no programa Ídolos da Polónia, tendo sido a vencedora da edição de 2004. Ao contrário de grande parte dos participantes deste formato, a artista conseguiu vingar no mundo da música com os seus três discos: Album (2004), Moje Piosenki (2006) e Granda (2010). Este último, para além de ter conseguido a proeza de chegar ao segundo posto dos discos mais ouvidos na Polónia na semana em que foi lançado, causou algum burburinho a nível internacional, com a prestigiada revista The Guardian a elogiar a forma como Brodkaconsegue conciliar música electrónica e rock com a pop, dando-lhe uma vitalidade tão grande que remata para canto grande parte dos artistas da cena alternativa polaca“.

Seis anos passaram desde Granda e o seu aguardado quarto álbum finalmente deu à luz. Em Clashes, Monika Brodka dá um turbilhão na sua pop-alternativa, conciliando uma pop orchestral com lírica poética que dão frutas a canções sombrias mas calorosas. Apesar de se deparar com uma língua que não a nativa, Brodka mantém a capacidade de escrever do coração e de emocionar aqueles que a ouvem, sendo dramática mas não lamechas. Como a própria se identifica no primeiro verso de “Horses”, ela é uma “car-crash girl“, referenciando as palavras da antiga senhora dos Sonic Youth, Kim Gordon, sobre a autobiografia de Courtney Love, o que nos dá uma ideia de quais as influências da polaca.

Falando em influências, Nova Iorque sempre atraiu a cantora, nomeadamente nos estilos no wave, jazz e r&b que tenta incorporar em Clashes. Para além da música, também há o dedinho da igreja na medida em que sempre foi uma presença constante na sua vida e lhe permitiu dar a nova profundidade que faltava nos registos anteriores. O impacto da religião e da espiritualidade evidenciam-se no novo visual que exibe; “para este novo disco, a grande inspiração foram indumentárias litúrgicas. Quis pegar em cores como o azul, roxo, branco, dourado e prateado, juntamente com os designs destas roupas e torná-las em algo mais moderno e recente.”

Com uns ainda ligeiros 29 anos, Brodka prepara-se para partir em busca do sucesso internacional, depois de já ter conquistado a Polónia – inclusivé o prémio para “Melhor Artista Polaco” nos MTV Europe Music Awards em 2012. Clashes não representa apenas um passo em frente na sua carreira, mas sim como um marco para a expansão da música europeia em novos territórios. Do que já ouvimos, este disco tem um potencial enorme para servir de rampa de lançamento. Ouve aqui e tira a tua própria opinião.