Andava o calendário a enumerar os dias do ano de 2011 quando um pouco por todo o lado, uma voz até aí pouco ou nada reconhecível, deixava um conselho de amigo. “Keep Your Head Up”, o segundo single para o disco de estreia que sairia em Setembro, funcionava já como uma espécie de hino de um Outono que sobra em dias de sol cálido ou de um final de Verão que já antevia deixar memórias e nostalgias.

A brit-folk de Ben Howard, pouco linear e com estruturas pop pintalgadas de polaroids esbatidas, que ali ganhava os seus primeiros rasgos de visibilidade mais mediática, indiciava que se estava na presença de um escritor de canções de carácter superior e com uma linha de pensamento e imaginário muito particulares. Alguns passos atrás e encontravam-se três EP que em tudo o sublinhavam, Games in the Dark de 2008, These Waters de 2009 e The Old Pine editado de Abril de 2011.

As certezas chegavam no formato de Every Kingdom, um disco de clássicos pessoais e intransmissíveis, tempestuosos mas de bonança, de esperança e desesperança. Canções como “The Wolves”, “Black Flies”, “Only Love” ou a derradeira “Promise”, ficavam a pairar no ar com o selo de intemporais e como canvas personalizados da história de cada um. Dois Brit Awards depois (British Breakthrough ActBritish Solo Male Artist) e três anos mais tarde, já com a febre da folk atenuada por outros hypes, I Forget Where We Were assegurava que o caminho trilhado no reino anterior era firme e independente de todos os factores externos. O segundo álbum surgia em tabelas de vendas por toda a Europa, mas de forma mais serena que o seu antecessor. Sem euforias e cheio de certezas.

Durante 2017, Howard esteve envolvido num novo projecto, os A Blaze Of Feathers, com quem editou um disco homónimo perfeitamente alinhado com o percurso que tinha até então em nome próprio. Em Fevereiro passado, Ben Howard dava início a um processo de ressurgimento com uma foto nas redes sociais de alguma gear à beira de uma piscina, e no passado dia 14 carregou um pequeno vídeo na mesma piscina a tocar aquilo que se entende como o primeiro indício sonoro para um novo disco. O músico tem vários concertos marcados pela Europa e Portugal está no mapa de viagens: Ben regressa a Lisboa no dia 27 de Maio para um concerto no Coliseu dos Recreios depois de ter passado em 2014 pelo palco principal do NOS Alive. A cidade do Porto recebe-o no Teatro Sá da Bandeira no dia seguinte. Os bilhetes terão o preço único de 30€ e estão disponíveis a partir de 23 de Março.

Em baixo, Ben by the pool e a recordação para o tema título do segundo longa-duração.