No passado dia 15 de Abril, a banda portuguesa regressou ao Maus Hábitos – Espaço de Intervenção Cultural, para apresentar “Villa Soledade”, o mais recente projecto. E foi numa sala lotada e desejosa que os Sensible Soccers prosseguiram com a excursão de apresentação do seu novo trabalho – quinta paragem da Villa Soledade Tour. Detentores de uma identidade exclusiva, resultado de uma melomania que se denota nas primeiras notas, os rapazes que têm a sua sede social em Fornelo, Vila do Conde, merecem todo o nosso afecto e contemplação.

A ânsia é quebrada quando se ouvem os primeiros acordes de “Clausura”, tema de abertura de Villa Soledade. O que ficou acanhado no álbum, solta-se em palco. Ondas dum oceano sereno, as melodias expandem-se e contraem-se. Os guitarristas aquecem com cigarros, já nos pintando uma imagem. E os olhos fecham-se com a intersecção de sensibilidades. Podia aparecer na banda sonora dum filme sci-fi distópico qualquer, um universo algures entre o “2001: Odisseia no Espaço” e o “Blade Runner”.

Cada jogador direccionou a sua atenção para a sua sonoridade e manteve-se modesto durante a toda partida. Apesar do seu foco ser mais na performance do que os rodeava, os adeptos continuaram a vibrar e a mostrar todo o seu agrado com o que ouviam. O alinhamento foi simétrico ao do álbum, desde “Bolissol” a “Shampom”, dançável e sonhador desde o primeiro momento. A intensificação daquele toque retro que acompanha as batidas anteriores. As pausas foram poucas, mas a origem de tanta “generosidade” foi questionada, entre agradecimentos e a nomeação do trabalho que se ouvia.

Embora o diálogo com os admiradores tenha sido escasso, a realização foi veemente, cheia de baixos ressoantes e de ouvidos atentos. Depois de “Apertura”, tema que finaliza Villa Soledade, a equipa presenteou o público com um encore da qual “Sofrendo por Você” fez parte, canção familiar que nos demonstra a sua capacidade de fazer a festa sozinhos através do uso e abuso de sintetizadores, de um groove estrondoso e da irreversível vontade mútua (quer de quem a ouvisse, quer dos próprios futebóis sensíveis) em passar do lugar e da forma em que os ouvíssemos para uma pista de dança. A sua nuvem de sintetizadores preset, saudosa e fresca, depois da rapidez da performance, saciou a fome da audiência com o DJ set que se seguiu.

As imagens de Marcelo Baptista aqui:

Sensible Soccers @ Maus Hábitos