Se a alma de Sevdaliza no novo tema “Soul Syncable” é sincronizável com alguma coisa, poder-se-ia dizer que talvez o seja com o trip hop de enredo massive-portishead-trickiano e contornos trippy com passagem directa para as zonas narcóticas mais densas, enevoadas e negras da década de 90, a chaveta temporal que testemunhou mais de perto e em primeira mão o propagar da excelência com que se embrulhavam as fusões entre a electrónica e o hip hop florescidas dos infindáveis campos de Bristol. Um universo sonoro que a irano-holandesa tinha já explorado sobejamente em “Mad Woman”, tema a vulso lançado em 2017 como banda sonora de uma curta-metragem intitulada The Formula.

Por entre frechas de orquestrações magnificentes detentoras de um subtil travo a médio oriente, pontificadas por uma electrónica tão sibilante como circular que por vezes flutua em direcção à superfície mas que se encontra maioritariamente submersa numa profundidade hermética de condição solene, Sevdaliza faz derreter de forma harmoniosa vários universos sonoros melancólicos e enigmáticos que se conjugam numa espécie de chamber-pop-hop vagueantes entre uma sensualidade hipnótica e um embalo atordoado, tendo sempre a sua voz sussurrante como catalisador.

O lançamento do novo tema foi propositadamente alinhado com o eclipse total de uma Lua Azul de 31 de Janeiro. Sevdaliza lançou o seu álbum de estreia, ISON, em Abril do ano passado. Desconhece-se se esta será a primeira amostra de um futuro novo trabalho discográfico ou se será uma composição a vulso, editada simplesmente para celebrar a ocasião.