A editora norte-americana Cult Records lançou em abril deste ano o EP de estreia de Exhibition, o pseudónimo do indiano Hammarsing Kharhmar. Last Dance traz quatro faixas, e entre elas encontra-se “No One There” uma canção que conta com a presença vocal de Julian Casablancas e lhe dá um brilho Strokes. Bem bom enquanto não chega o sucessor de Comedown Machine já de 2013.

Uma atmosfera nostálgica retro e trippy emerge no tratamento visual criado por Charles Billot para a mistura de new wave e post punk e todo o revivalismo que penetra na canção. Os efeitos criados por uma lente super-8 e as imagens recortadas por feixes de luz captados durante a noite tornam o vídeo ainda mais dramático que a própria canção além de estranhamente sedutor. Tão sedutor como Erin Victoria Axtell, a protagonista do vídeo, que espelha o vazio que a fama pode trazer como as noites sem sentido em que Erin atravessa solitária pelas ruas de Nova Iorque numa película que se alinha com a melancolia que o tema explora em suas linhas.

Every line you measure so carefully,
Every song you learned to sing.
Try to remember, what it was that you came for.

“No One There” é faixa de abertura para Last Dance e faz-se de sintetizadores que ambientam a atmosfera para a passagem de riffs de guitarra que se expandem, soando diferente da sua versão original. A presença de Julian Casablancas na faixa não é apenas vocal: a sua participação levou-a para um lugar maior, segundo Exhibition.

The original version was just the synth line in the choruses but Julian had a vocal melody that he wanted to try (…) What he added took the song to another place. A beautiful one.

Enquanto isto, Julian segue com o projeto Julian Casablancas + The Voidz com apresentações marcadas em cidades da América do Sul no âmbito da Hollywood Bolivar Tour durante este mês.

Lê também: Julian Casablancas dá voz a tema dos Exhibition, novo nome do catálogo da Cult Records