Pelo mesmo palco por onde já passaram as Au Revoir Simone, os The Cactus Blossoms e os Chromatics de Johnny Jewel – que se encontra profundamente envolvido na sonorização da terceira temporada de Twin Peaks com o seu mais recente disco Windswept editado a 10 de maio pela Italians Do It Better a servir como boa parte da banda-sonora original -, desde o regresso da série de David Lynch no passado mês de maio, vamos encontrar agora em duas noites distintas mais um par de nomes maiores do panorama alternativo contemporâneo.

Alex Zhang Hungtai, que até há pouco tempo assinava como Dirty Beaches, colocou um ponto final nesse heterónimo para se reinventar como Last Lizard. Até agora, e depois do último disco enquanto Beaches em 2014, lançou apenas no ano passado Knave Of Hearts em nome próprio, para além de Âncora com os músicos de jazz portugueses David Maranha e Gabriel Ferrandini. Agora, vamos encontrar o canadiano na cidade de Twin Peaks ao lado de Dean Hurley, colaborador habitual de Lynch e do seu filho Riley Lynch. O trio assina como Trouble e a música é disponibilizada pela Sacred Bones, o que pode indicar que este encontro seja mais que uma mera colaboração. “Snake Eyes” é uma parede sonora que encarcera em si escuros momentos de jazz e ao mesmo tempo uma agressividade rock de combate que não se afasta muito dos moods sonoros recorrentes de Badalamenti ou Barry Adamson e até mesmo dos discos a solo de David Lynch.

Ao contrário das músicas anteriores, os Trouble não encerram o episódio #5 e a sua aparição – termo sempre bom para aplicar em tudo o que seja lynchiano -, surge no decorrer do capítulo como apresentação do sociopata Richard Horne. No sexto episódio, no entanto, volta tudo ao normal e assim temos mais uma actuação de luxo no Bang Bang Bar. Sharon Van Etten e a sua banda regressam a Are We There, o disco de 2014, e a “Tarifa” para um momento de intimidade e embalo. Belo e chillin’… algo de precioso no final de qualquer episódio de Twin Peaks.

Lê também: Por entre as névoas de Twin Peaks sobreassaem as “Shadows” dos Chromatics em novo vídeo

O Bang Bang Bar deve ser neste momento uma das salas de concertos mais mediáticas e decididamente com melhor cartaz neste mundo e no outro… principalmente no outro, onde habitam as personagens fantásticas de Lynch.