É caso para sacar de uma navalhinha e gravar numa árvore junto ao Rio Coura as palavras: Slowdive <3 Portugal. O regresso dos ingleses, que passaram por Lisboa e Porto na semana passada, está já marcado para Agosto e para um palco já pisado por Rachel Goswell, Neil Halstead, Nick Chaplin, Christian Savill e Simon Scott em 2015: o da Praia Fluvial do Taboão.

Um dos nomes mais marcantes da cena shoegaze e dreampop de final de 80 e inícios de 90, os Slowdive separaram-se em 1995, logo após a edição de Pygmaleon, vítimas de uma série de factores internos e externos. A banda regressou ao activo em 2014, saindo disparada para os alinhamentos dos dois Primaveras desse ano. O quarteto de Reading estreava-se então em Portugal no Porto e encabeçava também o cartaz do Primavera catalão.

Slowdive, o disco homónimo lançado também em 2017 pela Dead Oceans, sucedeu aos três discos da primeira fase – PygmaleonJust for a Day e Souvlaki de 1991, 1993 e 1995, respectivamente -, colocando-os novamente no pedestal que lhes fugiu na primeira vida: o de banda essencial na compreensão e no desenvolvimento de uma sonoridade dreamy e profunda, para além de lhes garantir um igual papel na cena alternativa contemporânea.

O Vodafone Paredes de Coura recebe-os então novamente na sua edição de 2018. Os Slowdive juntam-se assim aos já confirmados Arcade Fire, Fleet Foxes, Skepta, King Gizzard & The Lizard Wizard, The Blaze, Big Thief, … And You Will Know Us By The Trail Of Dead, Curtis Harding, Shame, The Mystery Lights, Japanese Breakfast e Confidence Man.

Lê também: Sonhar é um pretérito mais que perfeito: Slowdive ao vivo em Lisboa

Slowdive no Vodafone Paredes de Coura' 18

Slowdive no Vodafone Paredes de Coura’ 18