Carl Robien Kirchmann, mestre em engenharia matemática, abre agora as suas asas para o mundo da música. O sueco, residente em Berlim, sentiu o impulso de criar e se exprimir musicalmente, e de superar barreiras mentais. Após o fim de uma relação de sete anos, Carl viu-se num limbo e decidiu arriscar, fazer música e explorar outros mundos, acompanhado sempre pela matemática e pela resolução de equações.

Com dois EPs lançados, Keep Saying (2015), e Gold já deste ano, Carl e a sua voz assemelham-se às viagens inesquecíveis que James Blake ou Active Child nos proporcionaram. Ambos recheados de sentimentos tão intensos quanto dolorosos – ora que mais não é esta vida que todos nós levamos -, numa mistura sedutora e absorvente de elementos sonoros que nos fazem dançar e, ao mesmo tempo, nos tocam a alma.

São momentos preciosos na sua honestidade e sensibilidade que fazem deles merecedores de ovações e audições consecutivas. Carl manifesta-se através de uma clara melancolia e coragem em faixas como “Gold” e “Would Run Wild”, onde obscuros e intoxicantes beats se apresentam conduzidos pela sua voz suave. Já noutras, como em “I’ll Be Waiting”, os mesmos beats assemelham-se aos sons de Moderat.

Os SQRD são feitos de ritmos deliciosos e de percussões viciosas. Os dois lados de uma mesma dor, de um mesmo amor.

Writing music was an attempt to handle and process what happened and in the same way to find my own path. I sit for hours and hours, I forget about everything else, and just focus all of my energy on the music

O segundo e mais recente EP, Gold, pode ser ouvido na integra aqui. O vídeo para “Gold” integra a coreógrafa e dançarina Lorinde Westerberg Knoops. O que só torna tudo mais perfeito.