E lá vem mais uma música a celebrar a reunião – ou ressurreição, se calhar será o mais adequado –, dos gloriosos e absolutamente nada profícuos Stone Roses. Mas quantidade nunca foi sinónimo de qualidade e com apenas dois discos, Ian Brown, John Squire, Mani e Reni entraram para a história. A julgar pela amostra, vão continuar na história.

No mês passado com o lançamento de “All For One”, as atenções viraram-se todas para Manchester e agora com o novíssimo “Beautiful Thing” as atenções ficam de vez por lá. Um regresso ao som baggy do primeiro disco, o som tradicional dos Roses, o acid-house em perfeita sintonia com o melhor rock psicadélico, o cinzento florescente da Madchester que eles ajudaram a definir.

Sabem aquela sensação do regresso de um velho amigo que não vemos há muito tempo?! É isso! Esta é verdadeiramente uma “Beautiful Thing”.

The Stone Roses: duas décadas foi tempo demais