Não constitui já surpresa para ninguém que os King Gizzard & The Lizard Wizard nunca foram rapazes de fazer as coisas de forma convencional ou by the book – que o digam os cinco discos que têm lançamento programado apenas para o ano de 2017. Com data firmada na semana passada para dia 25 de agosto para a revelação do terceiro episódio conceptual dessa mão cheia de rodelas discográficas – Flying Microtonal Banana foi editado em fevereiro e Murder Of The Universe em junho -, comiam-se os dias e as horas em nome da dose mensal de psicadelismo recomendada e dos ambientes psicotrópicos e retro que nos iria trazer o terceiro registo do ano, condensado em mais um shot de estranheza já mais ou menos familiar que prometia trazer Sketches Of Brunswick East.

Mas porque as regras (e as datas) foram feitas para ser quebradas – e porque o cyborg assassino do apocalíptico Murder Of The Universe não foi bem sucedido na extinção total do planeta como ameaçava fazer em mais de 45 minutos de rock ácido e agreste -, os australianos continuam a seguir um trilho conceptual mas desta vez uma semana antes do previsto, e abrem na totalidade a porta com vista para os seus esboços e rabiscos psych suaves e trippy com camadas levitacionais carregadas de harpejos e elementos jazzísticos à mistura de Sketches Of Brunswick East, um contraste com a explosão tenebrosa sci-fi alinhavada com guitarras estridentes e agressivas que entravam pela casa adentro e não deixavam pedra por (re)virar no disco anterior.

O álbum foi concebido com a participação de Alex Brettin dos Mild High Club e será editado em formato físico apenas no próximo mês de setembro, mas ainda sem data oficializada. Embora, seguindo a lógica de rebeldia temporal adoptada pela banda, o mais provável é que Sketches Of Brunswick East chegue às lojas algures ainda este mês. Lá estaremos!