Stephen Merrit nunca foi rapaz de grandes épicos no que toca ao tamanho das canções. Aquela média boa dos 2 minutos e qualquer coisa para contar uma história e passar uma ideia sempre lhe sobejaram. E como qualquer bom dom quanto mais se o trabalha melhor ele se desenvolve. Pois, então Merrit deve estar no topo da forma porque em Quickies consegue despachar sem despachar 28 músicas e todas elas entre os 45 segundos e a loucura total dos 2 minutos e 30 segundos mais coisa menos coisa. Uma espécie de álbum punk, mas no espectro sonoro oposto do punk. Pelo menos no que toca à instrumentação porque liricamente e tematicamente, canções como “The Day The Politician Die”, “Kill A Man A Week”, “When the Brat Upstairs Got a Drum Kit” ou “I Wish I Were a Prostitute Again, podiam ser perfeitamente ajustados ao universo do estilo.

Os The Magnetic Fields dão continuidade em Quickies, a uma história de amor com a poesia mordaz e irónica, com os arranjos campestres, mas quase nada folk e (des)encantam mais um disco de delícias simples, sem grandes ingredientes a adornar o objectivo final de cada tema e do disco no seu todo. Um dia destes perguntamos-lhe como é que um americano se tornou tão countryside british sir. Por agora, é um punhado de Quickies.

Quickies dos The Magnetic Fields foi editado a dia 15 de Maio pela Nonesuch Records.