Em trilhos semelhantes pelos quais têm conduzido grande parte, se não mesmo toda a sua carreira, os Dead Can Dance de Lisa Gerrard e Brendan Perry regressam seis anos depois do lançamento de Anastasis – o seu até agora último registo de estúdio -, com um novo disco que prova desde já que o tempo de pausa não enfraqueceu a impressionante carga mística com que tecem a sua música desde 1981.

“The Mountain”, o primeiro tema revelado para Dionysus, cerca-se de uma aura mágica num encontro cinematográfico de raízes étnicas, debruadas a uma goticidade levada para o oriente, já não tão carregada como em outros tempos mas que sempre constituiu a matéria-prima primordial e basilar dos australianos.

Numa confluência de sensibilidades distintas, que vão das sonoridades celtas às terras altas e das regiões mais montanhosas e agrestes do Nepal – sem nunca pôr em causa uma naturalidade inata na progressão das melodias -, “The Mountain” reforça, em 2018, a posição dos Dead Can Dance como mestres na construção de um universo sonoro muito próprio, único e inigualável.

Dionysus, cujo título remete para o deus grego do vinho, será o nono registo de estúdio dos Dead Can Dance e tem lançamento agendado para 2 de Dezembro, via PIAS. O álbum conta com 7 momentos distribuídos por dois actos: o I com três temas, o II com quatro. A banda actuará em Lisboa, na Aula Magna, em duas datas – 23 e 24 de maio -, estando já o dia 24 com lotação esgotada.