De origens tão diversas como os seus estilos, a jovem norte-americana, o grupo australiano e o par de irmãos portugueses prometem trazer novidades ao panorama musical deste já bem crescido festival urbano. Vindos dos três (ou quatro) cantos do mundo, os nomes prontos para temperar ainda mais o cartaz do Vodafone Mexefest, cada vez mais composto e final, prometem trazer novidades ao panorama musical deste já bem crescido festival urbano. E são eles Meg Baird, Jagwar Ma e Octa Push.

Meg Baird

Conhecida não só pelo seu acto a solo, mas por ter uma interessante experiência, Baird integrou projectos como a banda Espers, com variâncias psicadélicas, de folk e rock, e puxando ao seu lado punk com os Watery Love, enquanto baterista. Em 2015, lançou o álbum Don’t Weight Down The Light, um registo discográfico bastante sedoso e bucólico que, certamente, será aconchegante num noite que já se espera mais fria.

Jagwar Ma

Dos nossos antípodas geográficos chegam-nos uns Jagwar Ma bem soltos para animar a casa. Com um rock psicadélico bem ondulante, será difícil controlar a vontade de arrasar despreocupadamente a pista. A banda formada em 2011 em Sydney, irá lançar ainda esta semana o seu segundo álbum se levará o nome Every Now and Then, na lombada deixando espaço para quem quiser fazer-se entendedor a partir do dia 14, depois de este ano já terem passado pelos palcos nacionais, nomeadamente pelo Palco Heineken no NOS ALive.

Octa Push

Mais conveniente será a deslocação dos Octa Push. Assumindo o género afro tuga, os dois irmãos juntam-se neste projecto desde 2008, no qual conciliam influências que se esticam desde o techno ao garage. O último álbum, ainda fresco, deverá passar pela avenida. Com uma ambiência que traz calor e tropicalidades, acrescenta-se mais uma experiência e possibilidade para o público do festival.

A data aproxima-se e a panóplia musical promete continuar a dar luta aos ansiosos e curiosos que durante dois dias de Novembro se desdobram pelos recantos de lisboa à procura do concerto seguinte.