Ainda fresco está na memória a noite em que em frente ao palco partilhamos copos de whiskey com Raphaelle Standell-Preston nos intervalos do concerto reflectido nos espelhos da sala da Casa Do Alentejo onde os Braids nos ofereciam o disco Flourish // Perish em pleno Mexefest. Um momento especial!

Dois anos depois recebemos na caixa de correio o novo registo da banda de Montreal. Deep In The Iris sucede ao gélido, etéreo e cristalino segundo disco de Raphaelle, Austin e Taylor. Gravado durante escapadelas para refúgios nas zonas montanhosas de Vermont e Nova York, o novo disco transporta o som da banda a paisagens menos aéreas e apesar da delicadeza sempre presente nos temas dos canadianos, encontra-se nas canções um maior pendor concreto e terreno na abordagem sonora. Não obstante as temáticas líricas brutais, que vão desde a pornografia aos abusos das mais variadas espécies, testemunha-se uma maior abertura à entrada de sol e luz pelas frestas das novas músicas dos canadianos. Claramente mais pop apesar de esculpido com a mesma mestria de Flourish e Native Speaker, Deep In The Iris é um trabalho imaculado e contundente sendo sem dúvida o disco mais poderoso da banda na sua ainda breve carreira.

Para que não restem dúvidas… “MiniSkirt” e “Taste”.  Deep In The Iris sai em final de Abril.