Sob a curadoria dos irmãos Dressner dos The National com uma versão da clássica “Shakedown Street”, os Unknown Mortal Orchestra estão entre as dezenas de músicos que participaram em Day Of The Dead, um álbum solidário de tributo aos Grateful Dead lançado a 24 de Maio cujo lucro é gerido pela conhecida Red Hot, organização sem fins lucrativos focada nas minorias sexuais e de género e patologias associadas.

São 5 horas de música distribuídas por 59 covers feitas por gente muitíssimo respeitável, uma das quais a cargo dos próprios The National. O novíssimo vídeo para “Shakedown Street” promove a edição limitada em vinil, uma caixa de 10 LPs que será lançada a 9 de Setembro para complementar a caixa de 5 CDs e a edição digital vendidas desde Maio.

Sobre a versão dos Unknown Mortal Orchestra não há muito a dizer, a não ser que é uma deliciosa malha funky que se assemelha bastante ao original, que já por sí só é uma deliciosa malha funky, homónima do álbum editado em 1978, no período áureo da cultura disco. Mas sobre o vídeo muito há para reflectir! É uma animação da própria capa do álbum Shakedown Street que, partindo do significado daquela expressão, é um manifesto visual alegórico de uma letra, ela própria um manifesto contra os preconceitos e estereótipos, o pessimismo em geral e a ganância – denunciada no verso maybe you had too much too fast”.

Shakedown Street era a irónica alcunha que os Grateful Dead atribuíram ao estúdio onde trabalhavam, pelo facto do espaço estar localizado num rua com má reputação, também por ser também uma feira de estimulantes da imaginação e da criatividade psicadélica… O que reduz a razão de uns é o que expande a imaginação de outros. Porque quase nada é a preto e branco, não é? Vejam e pensem, porque como alerta a letra de “Shakedown Street”:

Maybe the dark is from your eyes