Eles já nos tinham dado “Goosebumps” em 2008 por alturas de Lightbulbs e – e um concerto repleto de adoçantes artificiais para mais tarde recordar – e, desde então, os 4 três rapazes de Brighton não têm conseguido achar a fórmula certa para deixar de o fazer. Sempre na vanguarda do krautrock-electro-synth, os Fujiya & Miyagi não dão mostras de dar descanso às glitterballs mais ou menos esfumadas e aos quadradinhos de espelhos multicolor que se nos dançam debaixo dos pés nas pistas mais ou menos underground.

Conseguindo extrair de forma espantosa cada vez mais gradações da já de si inacabável miríade de tonalidades da paleta electro não se lhes esgotando as texturas que mais parecem fabricadas no seu laboratório de experimentações sónicas delirantes, eis que chegam com um “Solitaire” – single de avanço para o novo álbum – que, ao mesmo tempo que se mantém numa linha melódica que lhes é coerente, destapa novas substâncias que se mesclam com as que já lhes conhecíamos, formando uma anatomia sonora tão familiar quanto inovadora.

Self-Titled – que abarca os 2 EPs de 2016 EP1 e EP2, e ainda EP3 que será lançado no mesmo dia exclusivamente em formato vinil -, será o sexto longa-duração dos britânicos que sucede ao açucarado Artificial Sweeteners de 2014 e sai dia 7 de Abril via Impossible Objects Of Desire. Sobre o álbum, o frontman David Best tem a dizer o seguinte:

The album is a really strong resistance to societies compulsion to suck the energy out of everything. It’s a really good thing to provide an antidote to all the scary stuff that is going on, even if it’s just for 5 minutes.

Com ambiência resgatada à 70s dance germânica, “Solitaire” extrai a energia aos mais cépticos e faz esquecer a realidade aos que não abdicam de um estado de consciência permanente. “When I kiss you I no longer care?” Not quite.