Brooklyn Vai Canadá, Will Butler Vai a Solo. Seria uma tradução muito (não demasiado) livre para “Brooklyn goes Canada, Will Butler goes Solo”. Mas foi o que aconteceu e o que acontecerá.

Brooklyn, tinha de ser Brooklyn (mais propriamente a sala de espectáculos Baby’s All Right) o local escolhido para, no passado dia 12 de Novembro, Will Butler, o multi-instrumentalista dos Arcade Fire (e não Win Butler, o seu irmão, vocalista dos mesmos), dar um concerto com “material” que, tudo indica, constitui o seu primeiro disco a solo.  O porta-voz da banda confirma-o e até acrescenta que a Merge Records poderá ser a editora.

Diz quem lá esteve que o Butler mais novo se fez acompanhar por duas vozes femininas enquanto tocava guitarra e/ou sintetizador, interpretando temas que, musicalmente, poderão ter remotas semelhanças (porque dizer “inspiradas por” parece mal) com os The Strokes ou os Pixies. Entre o puro rock e as melodias de piano, terá sido um belíssimo serão.

A notícia não terá apanhado de surpresa os fãs de Arcade Fire, esses que sabem que Will tem vindo a ter um crescente peso criativo nos últimos discos, com maior expressão na Banda Sonora do Her do Spike Jonze, composta a meias com Owen Pallett. E até esperam com muita curiosidade pelas letras, sabendo que o caçula dos Butler estudou poesia na universidade. O último poema foi publicado na revista Tinhouse e pode ser visto aqui:

http://enelojial.tumblr.com/ post/88321143094/oyster-bar- by-will-butler-featured-in- tinhouse 

nuno miguel dias