William Ryan Fritch regressa aos discos e oferece-nos uma obra magestaticamente colossal imbuída de calor orgânico, expansiva e imensuravelmente atemporal. Uma orquestra indie e chamber pop de um homem só a revestir de experimentalismo este Revisionist, do qual retiramos este tempestuoso tema-título.