O britânico Wu-Lu integra um movimento com epicentro localizado no sul de Londres que faz do conceito de género ou estilo diluirem-se numa amálgama de sonoridades urbanas de tons quentes que se assumem como o elemento central da sua produção musical.

Plataforma sonora que gira em torno uma espécie de trip hop melancólico espraiado por uma riqueza de texturas deixadas por nuances jazzísticas etéreas, mescladas com soul e funk, a música do produtor e multinstrumentista britânico sobe um patamar de destaque com o seu segundo EP, N.A.I.S. (Not As It Seems), editado no dia 2 de Março.

Por entre frechas de beats graves instigados por portentosos baixos a pender para um jazzy soul de alma nebulosa e nocturna, destilam-se em alguns dos quatro temas que compõem o EP, pequenos flashes de orquestras graciosas, que em outros momentos dão passagem absoluta a construções mais agressivas de veia experimental ligadas à electrónica.

Sempre oxigenado por uma abordagem em que a justaposição de sons em diversas camadas é a particularidade mais visível e transversal, N.A.I.S. surge como um projecto de respiração quente e olhar hipnótico, trazendo para a superfície uma linha sonora emocional e elegante, por vezes retro, e ao mesmo tempo de espírito vanguardista que baralha as normas, as convenções e todo peso semântico do conceito de género.

N.A.I.S.
00:00 – Jaybo
02:41 – Habesha
7:36 – Sailor (feat. Binisa Bonner)
11:50 – Storms