Olhar cá para baixo para a Terra, lá de cima de uma nave espacial? Olhar de perto para a condição humana? Olhar para o payback time do lado de lá da vida? Ver o amor pleno acontecer lentamente? Encontrar uma dimensão de arte que não se explica por palavras? Elevar a música ao estatuto de totem? Dar a paulada social através do rock e das guitarras? Há disto tudo nas melhores cinematografias da semana e vêm com músicas do caraças. Ora aqui vão elas.

Moby – This Wild Darkness

Moby continua a lutar pela sobrevivência do planeta através da arte, e continua também a fazê-lo com mais um vídeo para Everything Was Beautiful., editado na sexta-feira passada (2 de Março). A devastação do nosso mundo e a única esperança de o salvar a residir algures no espaço extra-terrestre, fazem a narrativa de mais um impressionante momento visual de Richard Hall, desta vez para “This Wild Darkness”. (artigo completo)

Son Lux – All Directions

Os Son Lux não se limitaram a tecer um vídeo para dar as imagens a um dos temas do seu último Brighter Wounds, editado em Fevereiro: os Son Lux convidaram os actores Tom Cullen e Tatiana Maslany a protagonizarem um mini-filme de dez minutos, preenchidos por uma história dramática e críptica para “All Directions” condensada numa magnífica cinematografia monocromática. (artigo completo)

A Place To Bury Strangers – There’s Only One Of Us

Os A Place To Bury Strangers chegam a “There’s Only One Of Us” com o volume do seu noise a bater com os ponteiros em mínimos históricos mas nem por isso a densidade do ar é mais leve nem os níveis de tensão enfraquecidos. No vídeo para o tema, o trio vê-se entalado entre um jogo de sombras com as suas silhuetas contra um pano de fundo de várias cores com imagens suas em perfeita luz a construir um totem com partes de instrumentos.  (artigo completo)

Hatis Noit – Illogical Lullaby (Matmos Edit)

Por vezes, surgem do nada peças supremas de uma beleza e arrojo que garantem não serem desta dimensão. Mas são-no, tal como Björk, Matmos, Meredith Monk, Nils Frahm e boa parte do catálogo da editora que agora recebe no seu seio a japonesa Hatis Notis, a Erased Tapes. O vídeo que antecede o lançamento do EP de estreia, Illogical Dance, habita precisamente nessa dimensão irreal e ideal, tantas vezes pincelada a som e imaginários feéricos pela diva islandesa, em que um véu de deleite leitoso se mescla com vanguardismos e instintos primordiais.

The Black Angels – Half Believing

As Death Songs dos The Black Angel andam há quase um ano a fazer vítimas e continuam a fazê-lo numa espécie de mundo transitório para o além no vídeo para “Half Believing”. Uma narrativa visual passada quase inteiramente numa twilight zone em que um homem recupera alguns momentos da sua vida antes de seguir viagem para a eternidade. (artigo completo)

Jo Passed – MDM

Com álbum de estreia pronto a ser lançado este ano, os canadianos Jo Passed fazem da Sub Pop a casa-mãe ideal para o seu rock de guitarras estridentes e desfocadas a dever algumas referências aos Sonic Youth e aos Pixies, ainda que tecida de forma mais dreamy. “MDM”, o primeiro single de avanço para Their Prime, vem representado por um vídeo que, num espaço branco habitado por balões e gorilas, vai para a colecção de visualizações que criticam a omnipresença maligna dos telemóveis, qualquer que seja o momento.

SHHE – Eyes Shut

Erótico, simples, apaixonado, viciante. Dois homens e uma dança lenta, uma coreografia e a delicadeza do movimento de dois corpos que se amam, conhecem e (re)descobrem. Há momentos que dispensam palavras e o vídeo de estreia para o novo alter ego de Su Shaw, dos Panda Su, “Eyes Shut”, é um deles. E a canção?! Um choque frontal entre os ecos etéreos dos Daughter e dos The xx e as ondas de prazer electrónico dos Braids e de Rhye.