Uma coisa é certa: se está em ruínas, então que venham pintadas com a paleta repleta da miríade impressionante de nuances e tonalidades experimentais deixadas pelos pincéis dos Grizzly Bear. Os norte-americanos têm trabalhado no sucessor de Shields do já distante ano de 2012, e prepara-lhe um herdeiro saído dos despojos deixados pelas suas arquiteturas sonoras que mesclam diversas correntes sonoras, usadas pela banda sempre com um revestimento e uma abordagem artsy, e que tem mostrado nas faixas que se vão conhecendo do disco uma especial tendência para a inclusão de pequenos elementos electrónicos.

Painted Ruins, o próximo álbum dos Grizzly Bear, tinha já exibido a sua nova cobertura sonora através de “Morning Sound” e “Three Rings” – este último o single de avanço para o disco -, e agora “Four Cypresses” continua a estrada de revelações inovadoras que se vão destapando nas pautas melódicas que se situam cada vez mais longe da folk de outros tempos. Correndo nas mesmas veias experimentais das anteriores, o novo tema envolve-se numa atmosfera mais serena e menos perfurado pelas electrónicas, embora se debruce sobre pequenos conglomerados de psicadelismo que brotam de batidas suaves quasi-marciais.

Em entrevista ao site Pitchfork, o vocalista Daniel Rossen explica que o tema pretende ser:

[the ]perspective of a homeless person sleeping in the driveway of a place he was staying in L.A., but broadened to encompass his thoughts about the refugee experience and life during wartime.

“Four Cypresses” vem acompanhado de um lyric video que podem ver mais abaixo. Painted Ruins é editado a 18 de Agosto pela RCA. E pelas amostras, vai sair daqui um belíssimo disco.