Um hiato de meia década afastou Benjamin Francis Leftwich dos discos e afastou-o dos palcos naquela que temíamos ser uma ausência não só prolongada como definitiva. As boas notícias, aquelas que confirmaram os nossos receios como infundados chegaram em Fevereiro último, através do primeiro single “Tilikum”, escrito após a morte do pai de Benjamin – a sua verdadeira musa inspiradora.

O regresso viu-se retirado no dia 1 de Junho pela história visionada de “Mayflies“, o segundo single, e já esta semana por uma presença feminina cantante, ou como confessa o britânico na sua página de Facebook, “a beautiful voice memo waking you up at 4am” a base da qual partiu o novíssimo “She Will Sing”. Ambas criaturas sobejadas dos despojos da chuva e prontas para tomar o mundo de assalto após o sucesso estrondoso de “Atlas Hands”.

Sobre “Maryflies”, dizia-nos Leftwich no início do mês:

Mayflies f**k and they die. Everything is so wrong yet so perfect. It’s the snapshot of a night where everyone is caught up in the present, living their own adventures unbeknown the world is ending. The idea was to capture the feeling of exhilaration and hope for the future that we all sense in the moment, contrasted with the reality check of dawn.

O debutante Last Smoke Before The Snowstorm de 2011 deixa assim vago o trono que irá ser ocupado por After The Rain a 19 de Agosto pela Dirty Hit Records, a mesma editora que contemplou a trajectória bem-sucedida dos Wolf Alice e dos 1975, ambas bandas parte do cartaz da edição dos NOS Alive que se segue já já.

O cantautor oriundo de York viu o seu álbum de estreia entrar oficialmente por mais de 100.000 mil pares de headphones adentro por esse mundo fora com muitos mais milhões de plays em plataformas de streaming, mas esteve perto de se afastar da música aquando da perda do seu pai lhe alterou o rumo de vida. After The Rain, produzido por Charlie Andrew (Alt-J) composto nos momentos mais difíceis da vida de Benjamin, serviu de libertação catártica traduzida numa busca pela paz interior, pela aceitação e consequente tranquilidade. É uma “creation that exists between light and dark; one that is delicate yet grand, melancholic yet optimistic, while remaining utterly timeless”.