“I will die for things that / mean so much to me”, são estes os primeiros versos da nova música, “Half Believing”, dos norte-americanos The Black Angels. A uma semana do lançamento oficial do álbum Death Song, a banda originária de Austin leva-nos por mais um passeio transcendente e psicadélico, onde abandona a sua zona de conforto e explora novos horizontes sónicos. Esta é a terceira faixa de avanço do mais recente longa-duração da banda, com a chancela da Partisan Records e produzido por Phil Ek, que já trabalhou com Father John Misty ou Fleet Foxes.

A formação, liderada pelo vocalista Alex Maas e que a 10 de junho atua no festival NOS Primavera Sound, já tinha entreaberto anteriormente a porta do novo registo discográfico, com os pungentes temas “Currency” e “I’d Kill For Her”. Sem ser um álbum conceptual, as letras estão recheadas de referências sociopolíticas e no álbum constam marcas indeléveis da eleição de Donald Trump, podendo assemelhar-se a um documentário subliminar a partir da abordagem atmosférica da banda.

Em entrevista ao “Texas Montly”, Alex Maas afirma que esta é uma das canções que mais o agrada e anseia poder apresentar ao vivo, pelo facto de, explica o cantor, tocar um “conjunto de muitas cordas emocionais” e pelos “movimentos explosivos que acontecem ao longo da música”.

Death Song será a o primeiro LP dos The Black Angels desde que, em 2013, editaram o álbum Indigo Meadow.