Em Cem Soldos, a vida não é muito diferente daquela que corre nas artérias de qualquer outra aldeia. Como nessas, também em Cem Soldos o tempo não tem tempo e tem, ao mesmo tempo, todo o tempo do mundo. As horas passam, mas mal se dá por elas tal é a forma preguiçosa e pachorrenta com que se delongam neste cenário ladeado por montes, povoado de casinhas térreas de portões de aço, árvores de pomar e muito silêncio.

Um silêncio que, volta e meia, se vê suspenso pelo piruças cor de champagne e pata curta que observa a distância respeitosa e com um misto de curiosidade e desconfiança a chegada dos forasteiros que neste dia desembarcam do rossio, e cuja nobre missão diária consiste em jogar ao toque e foge com os gatos que desfilam pelas ruas circundantes. Um silêncio que, volta e meia, se detém à porta da colectividade por cigarros adolescentes, climatizados por boomboxs de quatro rodas que transmitem em volume generoso para toda a praça o mesmo que, dentro de cinco meses, será a linguagem matriz e transversal ao 1o palcos que vêm celebrar a 10ª edição do Festival Bons Sons ’19: o património, a cultura e, em especial, a música portuguesa.

Tal com acontece um pouco por todas as aldeias portuguesas sem tempo e, ao mesmo tempo, com todo o tempo do mundo, Agosto em Cem Soldos é sinónimo de ruas cheias, caldo verde e, como tem sido habitual desde 2006, de uma união intergeracional através da cultura e da música. Aqui, desfia-se a cada grão de terra batida, uma lusitanidade que serve de linha condutora a um projecto sem fins lucrativos e que devolve à comunidade tudo aquilo que recebe. Inicialmente residência fixa do Bons Sons a cada dois anos (2006, 2008, 2010, 2012 e 2014), Cem Soldos abarca desde 2014, de forma anual, não só várias linguagens sonoras de berço comum, como também diálogos entre várias correntes artísticas, todas elas enraizadas numa identidade, numa história e numa vivência partilhadas.

10 edições, 10 concertos muito especiais

Chegados a 2019, chega-se também a um marco muito especial no percurso do Bons Sons naquilo que tem sido, desde o primeiro momento, a sua missão primordial: a criação de uma plataforma de encontro entre artistas consagrados e artistas emergentes. Um encontro de celebração às 10 edições do festival, que decorre, este ano, sobre 10 diferentes palcos, agregados num cartaz em que se encontram nomes repetentes, outros estreantes, e que testemunhará, de forma inédita, sete duplas muito especiais, compostas por 13 artistas e bandas que farão subir aos estrados do recinto alguns projectos propositadamente criados para o evento. A Diabo na Cruz (8 de Agosto), juntam-se as duplas Joana Espadinha + Benjamim (8 de Agosto), First Breath After Coma + Noiserv e Lodo + Peixe (9 de Agosto), Glockenwise + JP Simões (10 de Agosto), Sopa de Pedra + Joana Gama e Sensible Soccers + Tiago Sami Pereira (dia 11 de Agosto).

Com a abertura do festival a ser oficializada no dia 8 de Agosto no Palco Zeca Afonso pela Orquestra Filarmónica Gafanhense, da Gafanha da Nazaré, e o encerramento nas mãos de Moullinex – que desta feita deixará a sua mesa de mistura na mala e ficará encarregue da curadoria, no dia 11 de Agosto, do palco Aguardela, o cartaz do Bons Sons ’19 compõe-se de cerca de 50 concertos e nomes dos quais se destacam também Scúru Fitchado, Pop Dell’Arte, Stereossauro, X-Wife, Três Tristes Tigres, Tape Junk, Valente Maio, Fogo Fogo, Baleia Baleia Baleia, Paraguaii e DJ Ride. Parte do cartaz, e na apresentação em Cem Soldos do cartaz do Bons Sons ’19, subiram ao Palco Lagar Sallim a solo – irá actuar em Agosto com banda -, e os Mano-A-Mano, que nos tinham já dado música num dos lugares mais emblemáticos de Cem Soldos.

10 edições, 10 palcos

A 10ª edição do Bons Sons apresenta também algumas novidades relativamente à configuração do recinto e à disposição dos palcos. Este ano, haverá 10 palcos espalhados por Cem Soldos, contando já com o Auditório Agostinho da Silva, nome cunhado em 2018 para o anterior Auditório de Cem Soldos. Ao Palco Lopes-Graça e ao Palco Aguardela – que se mantêm ambos na praça principal à semelhança de anos anteriores -, soma-se no já conhecido anfiteatro natural das oliveiras centenárias, o Palco Zeca Afonso estreado na edição de 2018.

O coreto do Largo de S. Pedro acolhe também novamente o Palco Giacometti-INATEL, enquanto o Palco Garagem continua a abrir as suas portas à experimentação e a todos aqueles que espontaneamente se desejam juntar para dois dedos e 30 minutos de conversa sonora. O adro da Igreja de São Sebastião continuará também a responder por Amália Rodrigues, naqueles que continuarão a ser os concertos de fim de tarde do festival.

Já a Igreja, por seu lado, irá este ano e pela primeira vez receber o Palco Carlos Paredes e os projectos de pendor instrumental que nele actuarão e tirarão, certamente, partido de uma acústica muito particular. Não se pense, porém, que o Música Portuguesa A Gostar Dela Própria (MPAGDP) ficará órfã na edição de 2019 do Bons Sons, muito pelo contrário: o projecto desenvolvido por Tiago Pereira continuará a dar a conhecer ao público novos artistas provenientes de todos os recantos do país, agora num palco que enverga o seu nome. O Palco MPAGDP irá habitar, este ano, o lagar de Cem Soldos.

Quem, na edição de 2018, olhou o recinto vazio do antigo Palco Eira com nostalgia e saudade, tem agora motivos para sorrir: embora o Palco Eira continue a fazer parte da história passada do Bons Sons, o local verá ser edificado agora o Palco António Variações. Mais que apenas uma mudança de nome, este será um novo palco, com uma nova configuração, que irá receber uma mescla de sonoridades que se chegam ao pop rock, à electrónica e ao punk.

+ Bons Sons

De forma a ajustar a lotação ao espaço que será ocupado com a emergência de novos palcos e a equilibrar a afluência de público com a vivência da aldeia, a organização reduziu ligeiramente o número de bilhetes disponíveis, estando este ano à venda 35 mil bilhetes, ao invés dos anteriores 40 mil. A zona do campismo vai também ser redesenhado e alargado e muitas mais novidades – algumas das quais apenas se irão revelar apenas com a abertura de portas -, se esperam para a 10ª edição do evento. O Festival Bons Sons ’19 decorre entre os dias 8 e 11 de Agosto na aldeia de Cem Soldos, perto de Tomar.