Moby pode andar mais ou menos arredado dos olhares do grande público, mas não deixou de ter uma voz activa e uma carreira que continua tão fértil em termos de edições como nos tempos de 18 e “Why Does My Heart Feels So Bad”. Neste neste milénio, Richard Melville Hall vai já para a edição do 10º longa-duração, e só nos últimos dois anos lançou Long Ambients 1: Calm. SleepThese Systems Are Failing, ambos em 2016, e More Fast Songs About the Apocalypse, no ano passado.

O músico, DJ e activista de voz grossa no que toca aos direitos dos animais e do veganismo, tem já programado mais um disco para ver a luz do dia este ano, que sai já dentro de pouco mais de um mês, mais precisamente no dia 02 de Março. O também produtor inglês prolonga assim a sua já longuíssima relação com a Mute, uma ligação iniciada em 1995, com Everything Is Wrong.

Se há 23 anos tudo era errado segundo Moby, em 2018 Richard Hall está plenamente convencido que tudo era mais bonito e indolor algures no seu passado. Mas não, não existe qualquer saudosismo e nostalgia, tal como não se encontram noções de passado absolutamente algum nos novos temas até agora apresentados e de antecipação a Everything Was Beautiful, And Nothing Hurt, o seu 15º registo de longa-duração.

Em Dezembro, Moby tinha partilhado “Like A Motherless Child”, o primeiro vídeo como objecto de introdução ao álbum – uma reinterpretação do espiritual negro da época da escravatura do qual se conhecem versões que remontam ao século XIX -, e agora avança-se na proximidade temporal para a edição do álbum com o segundo vídeo, que tal como o seu antecessor, leva a assinatura de Rob Gordon Bralver, responsável por Cure for Pain: The Mark Sandman Storyo documentário sobre o frontman dos Morphine, desaparecido em 1999.

O vídeo para “Mere Anarchy”, um trabalho a preto e branco que pende entre a desolação e a beleza extrema, é descrito por Moby como:

post apocalyptic, people are gone, and my friend julie and i are time travelling aliens visiting the empty earth.

Ambos os vídeos, bem como o alinhamento e o artwork de Everything Was Beautiful, And Nothing Hurt para descobrir em baixo. Moby criou também uma playlist onde agrupou algumas das fontes de inspiração para o novo disco.

Everything Was Beautiful, And Nothing Hurt 
1. Mere Anarchy
2. The Waste of Suns
3. Like a Motherless Child
4. The Last of Goodbyes
5. The Ceremony of Innocence
6. The Tired and The Hurt
7. Welcome to Hard Times
8. The Sorrow Tree
9. Falling Rain and Light
10. The Middle is Gone
11. This Wild Darkness
12. A Dark Cloud is Coming

Moby - Everything Was Beautiful And Nothing Hurt 

Moby – Everything Was Beautiful And Nothing Hurt