Grouper Parking Lot
Grouper Parking Lot

Grouper prolonga a solidão e a desolação de ‘Ruins’ no novo tema “Parking Lot”

Liz Harris passou a melhor parte de 2011 numa residência artística promovida pela Galeria Zé dos Bois que se desenrolou na calma e no silêncio de Aljezur onde, num local remoto e isolado, compôs e gravou as canções que, três anos mais tarde, dariam origem ao ambient melancólico e cinematográfico de Ruins. Até agora o seu último disco de originais, Ruins marcou um desvio sonoro no percurso de Liz, que ficou imortalizado numa colecção de canções que contam uma narrativa alinhavada de forma quase exclusiva por um piano, ao contrário dos seus registos anteriores, mais centrados numa electrónica experimental, ainda que sempre em territórios ambient.

A norte-americana por detrás do heterónimo Grouper, regressa este ano aos lançamentos discográficos com Grid Of Points, aquele que chega como o álbum que irá ocupar a posição número 11 da lista de registos de longa-duração de Liz Harris. “Parking Lot” é o primeiro avanço para o disco, e parece pegar na ponta que ficou solta do novelo de Ruins – um disco transformado, em forma de som, num manual de como encontrar beleza num contexto de destruição -, e continuar a conseguir extrair emotividade das teclas do piano e dos ecos que elas vão produzindo, intensificando um sensação de solidão e vazio, de inevitabilidade trágica, de desterro e de abandono.

Grid Of Points sucede a Ruins na discografia de Grouper, mas não da de Liz Harris. A norte-americana lançou, em 2015, o álbum de estreia, The Original Faces, do seu projecto paralelo Helen, o trio do qual faz parte com Jed Bindeman, dos Eternal Tapestry, e Scott Simmons. O novo disco é editado a 27 de Abril, via Kranky.