Ringo Deathstarr
Ringo Deathstarr

O Reverence Festival Valada começa hoje… mais ou menos

De forma a acalmar os ânimos para a edição deste ano do Reverence Valada – que, apesar de ir a meio, já tem um cartaz invejável – este ano vamos contar com as Reverence Underground Sessions, a realizarem-se uma vez por mês no Sabotage Club, no Cais do Sodré, em Lisboa. Fruto de uma parceria com a sala lisboeta, as R.U.S. têm como finalidade mostrar ao público português aquilo que se faz de melhor no underground nacional e internacional, possibilitando concertos de artistas consagrados num ambiente mais intimista, com uma maior proximidade entre banda e espectador.

As Reverence Underground Sessions começam hoje com os americanos Ringo Deathstarr, seguindo-se pelos portugueses Bizarra Locomotiva (abril) e os Mão Morta (maio), estando ainda mais bandas por anunciar.

 

Ringo Deathstarr

Apesar de grande parte do movimento shoegazing ter surgido no Reino Unido, a expansão ao longo dos anos foi tanta que um grupo de amigos em Austin, no Texas, sentiu-se inspirado pelo mesmo e pôs mãos à obra. Na sua sonoridade, são nítidas as influências dos pioneiros The Jesus & Mary Chain ou My Bloody Valentine mas, mesmo assim, os Ringo Deathstarr conseguem ter a sua própria identidade, fazendo sempre algo de diferente (e belo) em cada álbum que lançam. Hoje à noite, Pure Mood fará as delícias dos presentes.

Bizarra Locomotiva

Com mais de 20 anos de carreira, os Bizarra Locomotiva são das bandas portuguesas mais duradouras da actualidade. O ano passado, lançaram o seu sexto disco de originais, Mortuário, e preparam-se para uma dupla residência no Sabotage Club: no dia 22, o alinhamento desse concerto irá recair nos três primeiros álbuns da banda, preenchendo o intervalo de tempo 1993-2003, enquanto no dia a seguir, os últimos três álbuns são as estrelas da noite, fazendo uma viagem no tempo desde 2004 até ao mais recente Mortuário. Prevê-se uma chuva de metal para os finais de abril.

Mão Morta

O que há a dizer sobre os Mão Morta que já não tenha sido dito? São uma das maiores referências de rock a nível nacional e, mesmo com trinta anos de carreira na bagagem, não fazem intenções de parar. Depois de já terem tocado nos maiores e mais importantes palcos portugueses, tocam no Sabotage Club em maio, durante duas noites, naqueles que se esperam ser dois concertos intensos onde o rock, nu e cru, vai fazer estremecer paredes. Um exemplo do contexto das R.U.S., ao oferecer a possibilidade de ver uma banda de renome num ambiente mais alternativo.