Ainda me amas? É a pergunta que Ryan Adams deixa no ar e que anuncia o 15º registo de estúdio do songwriter da Carolina do Norte e o sucessor de 1989, disco que reproduz na íntegra Adam’s style o trabalho do mesmo nome de Taylor Swift. Uma pequena gema de reinvenção e que mostra como quase tudo muda consoante o olhar e as roupas com que se veste uma canção… e, na verdade, tudo o resto. Um disco obrigatório no ano que passou e um trabalho indispensável na obra de Adams. “Do You Still Love Me?” é o primeiro momento do novo disco e a primeira revelação de Prisioner, que sai a 17 de Fevereiro pela Pax Am/Blue Note/Capitol.

Prisioner, tal como a reinterpretação de 1989, foi escrito durante o doloroso e destrutivo processo de separação de Mandy Moore com quem foi casado durante seis anos

I started writing this record while I was going through a very public divorce, which is a humiliating and just a fucking horrible thing to go through no matter who you are. To be me and to go through that the way that I did was destructive on a level that I can’t explain. So a lot of extra work went into keeping my chin up and remembering what I did and what I loved about who I was. –  @entrevista ao The Japan Times

Mais um coração desfeito que dá um disco. Nada de novo, nada de estranho. Nem no motor de composição nem na sonoridade, dando continuidade ao caminho altamente influenciado pelo sempre presente folk mas com grandes partes do ADN das suas canções a ser invadido pelo rock dos anos 80 que tem vindo a tomar, deixando claro que discos de Bruce Springsteen, Neil Young, E.L.O. e Tom Petty são peças valiosas da colecção de Ryan. Que ele não nos ouça, mas “Do You Still Love Me?” até podia estar entre os temas de um dos discos do outro Adams, o que começa por B.

Ryan Adams apresentou ontem em Sydney, num concerto surpresa de acesso exclusivo por convite, todas as doze faixas de Prisioner – título inspirado, aparentemente, pelo pedal da Jacques com o mesmo nome mas que deixa leituras dúbias dado a fonte de inspiração principal das composições do disco – intercaladas com os clássicos do costume. Mais tarde, já num concerto aberto ao público no Enmore Theatre, fez a estreia oficial em palco de “Do You Still Love Me?”… e ainda deixou mais uma das suas improvisações de palco, que desta vez foi “Gosh, I Love Toast”.

Tudo aqui em baixo bem como o alinhamento completo de Prisioner e o artwork.

 



 

Prisoner Tracklist:
01. Do You Still Love Me?
02. Prisoner
03. Doomsday
04. Haunted House
05. Shiver And Shake
06. To Be Without You
07. Anything I Say To You Now
08. Breakdown
09. Outbound Train
10. Broken Anyway
11. Tightrope
12. We Disappear

Ryan Adams - Prisioner

Ryan Adams – Prisioner