Os Spector foram uma das bandas que, em 2012, surgiam como um dos últimos ocupantes da última carruagem que levava a bordo uma miríade de projectos indie rock que desde o início do século nasciam como cogumelos do imenso e verdejante solo britânico. Talvez por isso, e lado a lado com os Little Comets que, um ano antes, também apanhavam já tarde esse comboio do qual desceram bandas como Bloc Party, Franz Ferdinand, The Maccabees, Maxïmo Park ou Bombay Bicycle Club, os londrinos nunca encheram realmente os estádios, que lhes estavam, à partida, predestinados, tendo em conta a dimensão explosiva e bombástica do seu indie rock n’roll.

A Enjoy It While It Lasts, álbum de estreia de 2012, que se aconchegava a linhas semelhantes às dos The Killers e em alguma parte às dos seus vizinhos The Vaccines – que no ano anterior tinham editado  What Did You Expect from The Vaccines?, aquele que seria também o seu registo debutante -, sucedeu-se, três anos mais tarde Moth Boys, que devia muito das suas construções sonoras a ambientes mais próximos do post-punk trágico de uns Joy Division em versão arena, ou dos também londrinos White Lies.

Certo é que os Spector nunca conseguiram traduzir os seus dois discos num sucesso palpável, não partilhando, inexplicavelmente, nem a dimensão dos palcos nem tão pouco a popularidade de que goza(ra)m o extenso lote de colectivos britânicos indie rock que se alinham no mesmo habitat. Com a agravante da lírica do quinteto ser especialmente espirituosa e bem construída, e a trazer, em tom crítico e consciente, temáticas centradas nas peculiaridades do quotidiano e da vida (britânica) para cima da mesa.

Após o lançamento de Moth Boys, os Spector regressaram em Dezembro aos temas originais com a bombay bicycle clubed “Untitled In D e revelam agora “Fine Not Fine”, uma evolução natural da sonoridade conquistada com o disco anterior, numa espécie de post punk atmosférico de aura menos carregada de uns Editors ou de uns Interpol que na segunda metade da canção se abre a uma veia mais acelerada mais tradicional no que respeita ao cancioneiro da banda. Os dois temas fazem parte do EP Ex-Directory que sai na próxima sexta-feira, 9 de Março.

About The Author

globetrotter, infografista frustrada, seinfeldo-dependente, apreciadora de aviões, perfeccionista ocd e com vários títulos académicos em factos irrelevantes.

Related Posts