Aliterações e tongue twisters à parte, e em alturas em que o mundo já sente a baixa pressão (auto-confessa ou não) decorrente do défice de Arctic Monkeys AM-era nas veias, “Meet Too Soon” vem colocar no mapa, e de forma ligeiramente anacrónica, o mesmo tipo de magnetismo vicioso e sedutor bem regado com a mesma estirpe de funk suave, lascivo e hipnótico que serviu de alicerce sonoro ao último disco dos britânicos.

Embora o conteúdo lírico produzido pela pena dos Bit Beat Bite Bright tenha embargado e trocado as narrações inspiradas em fantasias de sedução e afterparties de Alex Turner pela promoção da liberdade e independência criativas com o foco a incidir sobre a natureza fundamental da necessidade de expressão de sentimentos enquanto veículo artístico, não se demonstra tarefa fácil o desprendimento do embalo quente promovido pela miscigenação dos instrumentos da banda oriunda de Sorocaba, São Paulo. Nas palavras da banda, “Meet Too Soon” fala,

sobre expectativas e preconceitos que cercam o lançamento de um novo trabalho artístico perante seu público, tentando fortalecer a liberdade do artista expressar o que sente sem a obrigação de agradar ninguém.

Se num primeiro momento o véu nebuloso que cobre a voz de Iuri Griga remete para as tonalidades vocais de Alex Turner numa urgência que tem o ‘agora’ como missão, o desenvolvimento da canção desagua num baixo – principalmente, num baixo -, que abre a porta da máquina do tempo para um dilúvio de construções rítmicas muitos próximas às de uns The Cure, num abraço aos ambientes levemente beijados pelo psych – como se os INXS de “I Need You Tonight” tivessem tomado um brisadeiro psych e projectado espirais contínuas cores de nomes inanarráveis no mais descolorado dos desertos. Pertencente a uma casta de tendência mais post-punk com um agregador funk à mistura, o rock n’roll vestido de casaco de cabedal e skinny jeans – ou será de knee socks -, e hermeticamente selado a brilhantina dos Bit Beat Bite Bright destilam um charme esguio e sinuoso muito próprio.

Bridge é o nome do segundo e próximo EP da banda paulista que tem lançamento previsto para o primeiro dia de setembro e sucederá ao EP de estreia Black Brown Blue Beige, editado em 2014. Os Bit Beat Bite Bright actuaram recentemente no Festival Circadélica, onde a Tracker esteve também presente.